6 de abril de 2011

E depois do nevoeiro... chegou o inevitável, vai doer? Vai... e, muito

Primeiro, falando de culpas... teríamos que recuar décadas, portanto PS e PSD podem "limpar as mãos à parede" e, o CDS, com... armas, tanques e submarinos também ajudou com umas rifazinhas para o banquete.
Desta vez, vai ser pior do que da última passagem do FMI, porque estamos bem entalados, sem poder desvalorizar a moeda, com as parcerias público-privadas e outras facturas que só chegarão em 2013 e que , neste "buraco", não estão contabilizadas, será outro que está à nossa espera
, coisa que podemos também "agradecer" ao "papá" delas, C.Silva, que ajudou ao seu nascimento, bem como, colaborou na destruição da nossa produção, seja nas pescas, agricultura,... coisas de que agora fala, mas que deixou vender barato quando entraram os fundos da U.E.
Até aqui, o meu receio era que, por teimosia, fosse preciso chegar ao mês em que não houvesse dinheiro, nenhum, para pagar ordenados e pensões, porque o risco foi bem real e estava prestes a acontecer.
Se, agora, vamos atravessar o deserto, podem crer que, de repente, não haver dinheiro para pagar ordenados (de toda a função pública ), pensões e fornecedores do Estado, seria bem pior e, mais mês, menos mês, seria algo inevitável.
Hoje 6 de Abril, é bom lembrar que foi a Segurança Social que comprou dívida pública e com quê? Com o dinheiro dos portugueses, aquele que serve para pagar as suas Reformas... assim, arriscar a compar, o que os outros investidores já não queriam... mais baixo e arriscado que isto, seria difícil e, novamente, atacando a liquidez.
O FMI vai dar-nos "uma corda" para nos obrigar a pagar as contas (coisa que acontece a quem, todas as semanas, teima em se endividar), mas a travessia vai ser um verdadeiro suplício.
Quanto a dizerem que agora, qualquer Governo serve porque as normas são impostas pelo FMI, cuidado, porque há sempre uma margem e temos que ter a certeza que esse governo vai fazer um bom trabalho de casa, cortar onde deve e, principalmente, que não vai continuar com as políticas praticadas nos últimos 20 anos ou piores, daquelas que nos conduziram até aqui, senão, em vez de 3 vezes, ainda vão vir mais "ajudas", sempre com custos não só em dinheiro, mas em mais sofrimento para a maioria dos portugueses.
Ainda tenho esperança que se salve o direito ao ensino e à saúde e que, finalmente, se volte à produção de bens, se deixe, definitivamente, de especular e alimentar boys-sanguessugas. Portanto, pensem muito bem... até 5 de Junho e, não se deixem distrair com a conversa fiada... do costume.
Quanto a maiorias absolutas... já vai sendo tempo dos nossos políticos "crescerem" e fazerem aquilo que se costuma fazer lá fora, coligações, e mostrem, de uma vez por todas, que vão trabalhar para o País porque somos nós que lhes pagamos e, também, porque somos os primeiros a sofrer com as suas incompetências, trafulhices e... outras coisas mais.

18 comentários:

  1. Não só vai doer muito, como temo que a dor se transmita à geração vindoura. Dez anos de penúria ninguém nos tira.

    ResponderEliminar
  2. Carlos Barbosa de Oliveira

    No estado em que estamos, está a ser um optimista... se, for feito um bom trabalho de casa, talvez, esteja tudo como deve ser daqui a 15/20 anos, a dívida é enorme e em 2013 vai crescer, quanto? Acho que ninguém sabe, verdadeiramente, o tamanho desse, próximo, buraco.

    ResponderEliminar
  3. Fatima

    Com a, prestes, entrada do FMI... estou a precisar de muitos... isto por aqui, andamos todos muito desanimados... os beijinhos sempre ajudam... pelo menos,um bocadinho :D

    bjos

    ResponderEliminar
  4. Passamos a vida a corrigir os erros do passado, a cometer os mesmos erros no presente e a arranjar forma de os mesmos erros serem cometidos no futuro. Enfim... oremos ao Senhor e a mais uns tantos, para que os erros se virem contra os errantes.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Matilde

    Somos uns peritos, a cometer os mesmos erros e, cada vez, vai sendo mais difícil a cura. Esta mania de sermos pescadinhas... "de rabo na boca" :D

    Bjos

    ResponderEliminar
  6. A geração vindoura que é a do meu filho já está a sofrer e de que maneira!

    ResponderEliminar
  7. Tava a ver que se pirava...
    Nunca mais lhe falava!

    ResponderEliminar
  8. Rosa dos Ventos

    Quando há gerações que gastam à grande, fazem dívidas sem pensar no futuro, alguém tem que pagar, é sempre assim, e se não fosse agora, seriam os netos.
    Penso que as pessoas mais velhas, já estavam a prever isto, eu pelo menos desde 2008 já estava à espera do machado, isto não era um país mas um autêntico regabofe, pelo menos para alguns, e agora, infelizmente, pagamos todos.
    Nunca vi um país produzir tão pouco, mas gastar tanto, agora, é aquele velhinho ditado popular: casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão.
    Estado e famílias nem sequer imaginam o que é poupar e agora vão aprender da pior maneira e aí, é que eu fico danada porque as coisas tinham solução se o rumo e as prioridades do país tivessem sido outras.
    Cá em casa ainda tenho um com 10 anos, que já anda a aprender o que é poupar há mais de 3 anos. A outra está nos EUA, espero que siga as regras da mãe... no poupar é que está o ganho e tentar olhar, mais para o futuro do que para o presente. Qualquer economia seja grande ou pequenina tem que pensar a longo prazo, coisa que, nunca fizeram, os políticos que nos governaram. As dívidas é que eles iam empurrando para a frente.
    Vai ser preciso muito esforço e muita imaginação para atravessar este mar de tormentas, mas que seja para resolver os problemas... de uma vez por todas, e não para deixar que voltem a repetir as asneiras das últimas décadas.

    Bjos

    ResponderEliminar
  9. Rogério Pereira

    Vou tentando vir o mais que posso, mas até no tempo tenho que economizar, senão não consigo fazer tudo e continuo a optar... pelo real em vez do virtual :D

    Bjos

    ResponderEliminar
  10. Isa
    Estou com uma valente ressaca. Neste estado o racicinio está por baixo.
    Mas estou de acordo. Vai doer muito, vai!
    Mas claro, a uns mais do que a outros. (como sempre)
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Folha seca

    Aí é que me dana porque àqueles boyzinhos que sacaram 1,2 milhões no ano passado, não vai doer nada, àqueles gestores públicos que deram prejuízo, mas acumularam ordenados de 13.000 e 23.000 € mensais mais bónus, porque um ordenado era pouco, também não lhes vai custar nada, a todos aqueles que se andaram a alambazar há mais de duas décadas, à nossa conta, que "forraram bem todas as algibeiras" já estão mais que preparados para a crise... as indecências que nós deixámos fazer e que, em vista dos resultados, deveriam ser criminalizadas, mas que, mais uma vez, se safam porque as leis foram feitas, por eles e para eles, sempre com tantas excepções e mordomias especiais.
    Espero que seja desta que o Estado corte nele próprio e deixe ser a maior máquina de queimar euros e de nos queimar a nós.

    Bjos

    ResponderEliminar
  12. Estou há 30 anos na penúria, à espera de salvação e nunca ninguém fez nada.
    Rigorosamente nada.
    E agora, é o que se vê. E ouve.

    ResponderEliminar
  13. Observador

    Quem espera... desespera. Eu não tenho feitio para esperar, sempre tentei usar as capacidades com que nasci, podia ter feito melhor... talvez, mas pelo menos fiz o melhor que pude, quanto a esperar por ajuda... agora vou ajudar a pagar muitas das dívidas que não fiz, pois as minhas, sempre as tentei evitar ou pagar antes de tempo e essa foi para a casa e no tempo em que a pedi, os juros andavam quase a bater os 20% e só emprestavam o montante que podíamos pagar, não como aquele regabofe de emprestar mais do que a casa valia.
    Depois vi pessoas pedirem para comprar carros novos, mobílias, computadores, férias,... um regabofe, mas gozaram, eu não gozei e vou pagar na mesma...isso sim é que é injustiça.

    Bjos

    ResponderEliminar
  14. Se se chegar ao ponto de não haver dinheiro para pagar os ordenados tenho cá a sensação que há certos ordenados que não deixarão de ser pagos.

    Isto é um país que não tem dinheiro para o essencial mas tem dinheiro para os luxos como TGVs, aeroportos, autoestradas a ligar todas as terriolas. Isot é mesmo um país do terceiro mundo.

    ResponderEliminar
  15. Ora nem mais! O blogue da Isah é o único me actualiza sobre estes assuntos. Sim, porque eu e a política somos um caso perdido!

    Beijos, e como estou de malas aviadas digo já:

    Bom fim de semana :D

    ResponderEliminar
  16. Daniel Antunes

    Isto é um País... de chico-espertos porque se assim não fosse, as coisas eram muito diferentes.

    ResponderEliminar
  17. Olga

    Então bom fim de semana... estou a ver que vai ser mais compridito :D

    Bjos

    ResponderEliminar